Teste de Reclamação de Cassie Hale

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Teste de Reclamação de Cassie Hale

Mensagem por morsray em Qua Jul 09, 2014 1:39 am

Conhecendo Cassie.



  • Nome:

Cassie Hale

  • Idade:

16 anos


  • Local de Nascimento:

Leesburg, Virgínia - USA

  • Nome do progenitor mortal:

Kurt Hale Parker

  • Nome da progenitora divina:

Nix

- Físico e Psicológico -

Cassie, ou como sempre a chamam, Cas, sempre foi uma renegada da sociedade por não seguir os padrões, tudo começava pela sua aparência. Ela não era uma menina nem muito alta nem muito baixa, tinha 1,65 de altura, seus cabelos longos e pretos escorriam pelo seu pequeno rosto, o que fazia seus lindos grandes olhos azuis desaparecerem em meio aos cabelos e as olheiras de sono. Sua pele reluz de tão branca, seus lábios são vermelhos como o sangue e seus cabelos negros como o ébano, é assim que seu pai gostava de falar, o lembrava do conto da Branca de Neve e mais varias outras histórias como a de Cassiopeia, e dizia também que era sempre bom imaginar que o "fantástico mundo" poderia ser real. Cassie nunca se importou muito com aparência, não ligava para seu corpo, nem para o que as pessoa iriam achar, sempre usava calças jeans bem largas e camisas pretas, de tão magra nem aparecia nas roupas, e claro, seu all star, o tênis nunca saia do pé. Diferente das outras meninas ela não era encantadora, não era charmosa e muito menos se importava para o que os meninos iam achar, sempre gostou de ser solitária, depois de tanto mudar de cidade, era comum ser a sozinha da escola, ou de qualquer outro lugar que frequentasse, ela nem ao menos tentava ter amigos. Criava sempre uma defesa para os que tentavam se aproximar, a frieza era seu ponto forte, era melhor pra ela, não ter que ver, sentir, tocar, nem ser, preferia estar ali, mas não estar, mesmo estando.

- História -
Era noite, tal como escura e chuvosa, Kurt pegou o carro e dirigia sem rumo, sem pressa, só dirigia, não fazia mais sentido, sua amada não estava mais com ele, a vida tinha acabado. Não queria acreditar, nem ao menos pensava poder encontrar outro alguém tão cedo, tão de repente, mas logo aconteceu, ao chegar em uma cidade no interior da Virgínia viu a mais bela das figuras, sentada, sozinha, olhando para o manto negro do céu. Ele não sabia como se aproximar, mas sem perceber já estava ao seu lado e comentava como eram lindas as estrelas.
-- Minha constelação favorita é aquela ali -- ela apontava -- tão imponente, majestosa. Cassiopeia, a mais bela.
Noites e noites se passaram, Kurt e a mulher das estrelas se envolveram, mais como de costume ele ficara sozinho, mas desta vez nem todas as estrelas do céu se foram, Cassie fruto proveniente desse curto amor havia nascido.
Seu pai sempre lhe contava a história de Cassiopeia, a grande rainha e a rainha mais bela que havia se transformado em uma constelação, tal tinha um apelido, Cas, que a partir daí se deu o nome da garota, Cassie, a pequena estrelinha.
Durante todo tempo de sua infância Cassie ouvia histórias e mais histórias de seu pai, ouvia histórias de titãs, deuses e monstros, muitas guerras, mas com o tempo passaram a ser cansativas e raras para ela. Seu pai que era sempre tão carinhoso e acolhedor agora só pensava em trabalho, não contava mais histórias. Eles viviam mudando, passaram por muitas casas, muitas cidades, muitos estados, procurando um rumo para a vida, e já na adolescência de Cas, decidiram voltar para Leesburg, a cidade onde havia nascido.
Sua adolescência foi muito conturbada, principalmente depois que seu pai morreu, muito novo, teve um infarte, os cigarros e as bebidas causaram isso.
Cassie agora sentia saudades das histórias, da infância. Vivia em um lar adotivo, com mais 2 pestes que ela era obrigada a chamar de "irmãos", onde ninguém se importava com ela, tanto que ela fazia o que queria. Nicotina? Claro, Cas não vivia sem. Eram apenas ela, a solidão e a nicotina, que fazia efeito por todo seu corpo aliviando a tensão.
A agonia da dor estava por todo seu corpo, como chamas, como chamas que se espalham em pólvora, como um pássaro, ela estava engaiolada, engaiolado no próprio sofrimento.Sonhava com um momento feliz, onde nada nunca a atrapalharia, só queria ser livre. "Finding things that make you happy shouldn't be so hard.". Só se perguntava onde a felicidade estava, mesmo que fosse difícil, precisava encontra-la.
Jurava, não pertencia aquele lugar, não gostava daquela gente, apenas mais uma numa multidão envolta de historias, de sofrimento, todos fingindo serem perfeitos, como se importasse a alguém.
Como sempre, iria embora para casa sozinha, estudava dia e noite, mas pra que? A vida é algo tão passageiros, estudamos, trabalhamos, morremos, mas é a vida. Dia e noite, e nas noites, ia para casa, em ruas amarguradas de sangue dolor.
Tudo estava escuro, nenhuma luz, nem mesmo nos olhos da menina, que ali caminha, sozinha, sem que ninguém pudesse nota-la.
Em sua cabeça só havia uma pergunta. Como ser feliz? Tantas noites sem dormir. Porém aquela noite era diferente, depois das suas aulas voltara sempre para casa,
a angústia batia cada vez mais forte no peito. O mundo parecia girar mais rápido mas ao mesmo tempo mais devagar.
Seu coração ora acelerado, ora palpitava fraco. Sem esperança continuava seu caminho, pelas ruas escuras. Ia chegar em casa. Como qualquer outro dia, triste e frio.
O caminho de pedras pontiagudas e desiguais, muitas vezes, continuava por toda a rua, que no final, de um estreito, havia uma sombra.
Só se lembra de ter caído, a cabeça bateu com força no chão, jurou que podia ter ouvido o barulho, e um rosto em sua frente perguntava.
-- Ei - sacudiu a menina sem dó, nem piedade -- acorda garota, você está bem ?
Não lembrava o que havia acontecido. Suas mãos estavam com sangue, e toda sua roupa. "Merda - pensou - Lorna - a tal mãe adotiva -  irá me fazer lavar". E desmaiou, no chão duro.
A sombra e o ser, que brutalmente apareceu em sua cara não pareciam estar mais lá, um silencio profundo, e um zumbido insuportável. Como sempre, ela não estava bem.
Acordou, sem saber ao menos onde estava.
-- Bem Vinda ao acampamento meio-sangue, Cassie.


morsray
Indefinidos
Indefinidos

Mensagens : 1
Data de inscrição : 08/07/2014
Idade : 19
Localização : Brasil

Ficha do personagem
Level: 1
Energia:
100/100  (100/100)
HP:
100/100  (100/100)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Teste de Reclamação de Cassie Hale

Mensagem por Circe em Qua Jul 09, 2014 10:18 pm

Hum então o teste está incompleto, por favor, checar AQUI os itens que falta. Também poste AQUI para a mudança de nome da conta e tente novamente.

------------------------------------- PercyJackson -------------------------------------



Circe
"Gostosuras ou travessuras?"
avatar
Circe
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 109
Data de inscrição : 15/02/2014
Idade : 21

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum