[FP] Thomas Oliver Walker

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[FP] Thomas Oliver Walker

Mensagem por Thomas O. Walker em Sex Jun 20, 2014 4:14 pm

Nome

Thomas Oliver Walker

Idade

16 anos

Local de Nascimento

Los Angeles, Califórnia.

Nome do(a) Progenitor(a) Mortal

Layra Marie Walker

Nome do(a) Progenitor(a) Divino

Hermes

Descreva como você é, física, e psicologicamente

Thomas por onde passa chama a atenção. Sua pele clara e seus cabelos loiros, em contraste com seus olhos azuis fazem-no se tornar um dos garotos mais populares e bonitos dos vários colégios que estudou. Seu porte físico de academia e seu sorriso galanteador ajudam a conquistar esta fama por onde ele vai. Mas o jovem não tem só fama de bonito.

O herdeiro dos Walkers sempre foi considerado um “garoto problema”. Tendo TDAH e dislexia, cada dia que passava, sua mãe recebia reclamações de pessoas que conheciam Thomas, pelo o que ele aprontava. Ele pichava muros de casas e até de prédios públicos, provocava pessoas e começava brigas por motivos ridículos ou até mesmo, roubava. Já fora pego várias vezes por policiais por roubar mercados e lojas pequenas e até algumas grandes. Mas sua mãe sempre inventava a desculpa de que Thomas sofria com problemas mentais e surtos. Mas mesmo assim, ela sabia que a verdade por trás destas ações do filho, eram o fato dele estar relacionado a um ser divino conhecido por entregar as mensagens dos deuses.

Conte sua história, narrando desde sua infância, até a chegada ao Acampamento

Nascido e criado desde os 16 anos em uma parte tranquila da grande cidade de Los Angeles, Thomas nunca se dava o título, ou ganhava, de garoto normal. Todos que conheciam aquela criança de 10 anos sabiam o quão diferente ele era dos outros de sua idade.

O jovem Walker sempre estava a fazer alguma coisa que as pessoas diziam ser estranhas, como o fato dele muitas vezes, conversar com serpentes e cobras que surgiam de todos os lados e pareciam sempre querer chegar até o garoto. Ou, a estranha mania que ele tinha de enquanto estar conversando, trocar de idioma de repente, falando italiano ou português, sem ao menos conhecer aquelas línguas.

Não havia garoto pior que ele na escola que estudava. Constantemente sua mãe recebia ligações do diretor do prédio de ensino, sobre seu mal desempenho nas salas de aula, ou, de seu comportamento. Que claro, não era dos melhores.

Tudo isto, juntando com o fato de Thomas ter sido diagnosticado com déficit de atenção e dislexia, piorava ainda mais sua vida.

Graças a isto, as pessoas que sabiam sobre Thomas não gostavam de se aproximar deles, e muito menos, que seus filhos se aproximassem. Não permitiam contato direto entre o herdeiro dos Walker e os outros de sua idade. O que tornou o pequeno Thomas, um jovem com raiva, e mágoas.

E com o tempo, Thomas cresceu com aqueles sentimentos e lembranças ruins de sua infância, guardados na mente. Se tornou um daqueles adolescentes na qual os policiais tinham de estar sempre de olho. Ele roubava lojas, pichava muros e arrumava brigas com pessoas piores que ele nas ruas, mas incrivelmente, quem saia ferido não era Thomas. Constantemente, sua mãe era chamada na delegacia para buscar o filho encrenqueiro. Mas ela sabia, que aquilo não era só culpa de Thomas. Ele não era assim porque queria.

---x---


- Quantas vezes eu já falei para você parar com isso, Thomas! O que você vai fazer da sua vida? Ficar dentro de uma prisão, vendo a luz do sol por uma pequena janela ou nem mesmo isso? - a mulher mais uma vez tentava fazer seu filho mudar. Seus cabelos escuros e curtos balançavam enquanto ela mexia os lábios rapidamente, gritando para o jovem. Este, apenas revirava os olhos com a fala da mãe.

- Ah mãe, me deixa em paz! - e, como sempre, esta era a única coisa que Thomas respondia a Layra. Ele odiava discutir com sua mãe, mas era inevitável. Sempre que ele fazia algo errado, ela dizia a mesma coisa.

Thomas sabia que sua mãe apenas queria o bem dele. Mas ele não conseguia parar de fazer aquelas coisas. Era como se, roubar e arrumar encrenca estivesse em seu sangue.

- Você vai arranjar muita encrenca quando você e sua irmã forem para lá… Já até imagino. - a mãe colocou a mão na testa e suspirou. Logo, sentiu o olhar interrogativo do filho em si, se batendo mentalmente por ter dito aquilo. - Nada. Esquece o que eu falei.

- Ir para aonde mãe? Você vai me expulsar de casa? - o garoto olhava para ela, com os olhos tristes. Ele amava sua mãe e não queria ter que ir embora da casa que passara todos aqueles anos, por alguma das coisas que ele fez.

- Não meu filho… Apenas, vai chegar a hora em que você e Charlotte não poderão ficar aqui… Seria muito perigoso… Semideuses não podem ficar muito tempo em um mesmo lugar e… - Mais uma vez, a mulher se espancava mentalmente, vendo seu filho intensificar o olhar de dúvida.

- Semi o que? Mãe, você esta escondendo mais alguma coisa de mim, assim como você esconde sobre meu pai? - Thomas cruzou os braços frente ao corpo, encarando a mulher que deu a luz a ele.

E mais uma vez, Layra suspirou. Ela indicou o sofá que se encontrava a poucos metros de onde estavam e caminhou até lá, vendo seu filho segui-la e sentar-se ali junto a ela. Com receio em sua voz, sabendo que aquilo que ela iria contar só pioraria a segurança de seu filho, ela contou a verdade.

- Você não é um jovem comum meu filho… Seu pai… Ele é diferente. Não é igual a nenhum dos homens que existem hoje. - ela respirou profundamente, procurando as palavras certas. O filho apenas permanecia com uma expressão confusa no rosto. - Seu pai é Hermes, o Deus Olimpiano dos Visitantes. Você, é um Semideus.

- Como Héracles, Aquiles e Perseu? - Thomas perguntou, e assim que sua mãe assentiu com a cabeça, ele começou a rir. - Ta, agora pode falar a verdade.

- Essa é a verdade meu filho…

- ‘Ta brincando né mãe? Tudo isso para não falar do meu pai? - Thomas se levantou, olhando para mãe de um jeito frio que até ela mesma se assustou. Logo, ele começou a caminhar rumo a porta e sem responder a Layra, que perguntava aonde o filho estava indo, ele abriu a porta e saiu da casa, seguindo para as ruas.

---x---


O jovem andava sem rumo, já não percebendo as horas passarem e aos poucos, começar a escurecer. Ele imagina o motivo de sua mãe mentir daquele jeito. Ele estava com raiva dela.

E com todos aqueles pensamentos o mantendo ocupado, ele não percebeu que um estranho o seguia. Logo, o homem se aproximou mais, e quando levantava a mão para socar Thomas, algo o atingiu com força. Uma pedra.

Thomas se virou assim que ouviu um rosnado, vendo o estranho passar a mão no local atingido e olhar na direção que havia vindo o objeto não muito pesado, vendo um garoto um pouco mais baixo que Thomas se aproximar correndo e atingir o homem com um soco.

- O que está acontecendo aqui? - Thomas disse, sem entender nada. Ele focou a direção de sua visão no homem e observou que aos poucos, começava a ficar maior. Seu corpo se encheu de músculos e de repente, apenas um olho ficou em seu rosto. - O que é isso?

- Acho que estou um pouco atrasado… Quase que ia perder mais um semideus. - o garoto que ajudara Thomas disse, ficando frente a ele. - Ciclope maldito… Se esconda Thomas, agora! Siga mais para frente, vai encontrar uma van!

Thomas estava sem reação. Ele apenas observava o garoto e o homem começarem a trocarem socos, aparentemente, o homem de um olho só levava a melhor naquilo. Ele queria saber o que estava acontecendo, mas também queria correr. Aquilo era mais estranho do que as cobras que surgiam para falar com ele.

E, percebendo que o melhor seria correr. Thomas o fez. Ele correu pelas ruas, as vezes olhando para trás e vendo a briga dos dois desconhecidos ainda acontecer. Os postes da cidade ficavam para trás a cada minuto. Thomas estava correndo como nunca havia corrido. Nem mesmo quando os policiais o perseguiam, ele corria daquele jeito.

E aquilo se devia ao medo que ele sentia naquela hora. Um medo que ele nunca pensara que iria ter.

E foi então, que logo a frente ele avistou uma van. Logo ao lado dela, um homem estava olhando em sua direção, como se estivesse me esperando. Ele observou o homem abrir a porta da van e  fazer um sinal para que o garoto visse mais rápido, e foi o que ele fiz. Mas assim que se aproximei demais dele, observou que ao contrário do desconhecido que me atacara, aquele tinha vários olhos.

Ele sorriu com o espanto de Thomas e o empurrou para dentro da van, olhando novamente na direção que ele havia vindo e sorrindo mais ainda ao ver o garoto que ajudara o Walker. Mas ele estava diferente. Suas pernas pareciam não ter pés… e tinham pelos demais.

- Vai Argos, agora! - O garoto gritou, saltando para dentro da van e fechando a porta em seguida, vendo o homem de vários olhos correr para o banco do motorista e começar a dirigir o veículo. Ele várias vezes olhava pelo retrovisor, vendo o desconhecido tentar se aproximar, mas não conseguindo.

Thomas constantemente olhava para as pernas do desconhecido, se assustando ao perceber que realmente, elas não tinham pés, e sim, cascos. Era como se ele fosse um jumento, ou burro, ou algum outro animal. Quando ele percebeu o olhar do Walker, sorriu, começando a explicar a ele tudo o que sua mãe havia explicado, com exceção da parte de ser filho de Hermes.

E com mais aquela explicação, Thomas não tinha como não acreditar. Ele apenas suspirou, falando um "desculpe-me" para a mãe, mentalmente e esperou Argos leva-los para o destino na qual o garoto que se dizia um sátiro, havia dito: O acampamento Meio Sangue.

avatar
Thomas O. Walker
Indefinidos
Indefinidos

Mensagens : 1
Data de inscrição : 17/06/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FP] Thomas Oliver Walker

Mensagem por Circe em Sex Jun 20, 2014 9:18 pm

Hum a história está até que boa, mas tem uns pontos importantes que não fazem sentido algum, tente se colocar no lugar do seu personagem. Uma coisa que me incomodou bastante foi a mudança constante na narração de primeira para terceira pessoa, de presente para passado, decida-se por um modo de escrever e tente novamente.


Reprovado

------------------------------------- PercyJackson -------------------------------------



Circe
"Gostosuras ou travessuras?"
avatar
Circe
Deuses Menores
Deuses Menores

Mensagens : 109
Data de inscrição : 15/02/2014
Idade : 21

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum